Argentina e Brasil, um dos maiores clássicos do mundo, se enfrentaram na noite desta terça-feira, 16, em San José, na Argentina. O jogo terminou empatado em 0 a 0. Sem Neymar, Tite usou a partida para poder testar alguns outros jogadores, como Vini Jr e Matheus Cunha. Entretanto, como é de praxe no confronto, a arbitragem chamou atenção. 

No minuto 33 do primeiro tempo, Otamendi acertou uma cotovelada na boca de Raphinha. O atacante brasileiro começou a sangrar instantaneamente e passou o resto do primeiro tempo com um algodão na boca. No intervalo, o atacante do Leeds United teve que tomar cinco pontos para poder estancar o sangramento. No lance, Otamendi não foi punido com cartão vermelho. 

Por causa desse lance e depois de analisar o áudio do VAR, a Comissão de Árbitros da Conmebol, presidida pelo brasileiro Wilson Seneme, resolveu suspender por tempo indeterminado os árbitros Andrés Cunha e Esteban Ostojich, árbitro de campo e de vídeo, respectivamente, de partidas realizadas pela Conmebol. 

No ofício assinado por Seneme, a Comissão de Árbitros destaca que "os mesmos cometeram erros graves e manifestos no exercício de suas funções no desenvolvimento da partida na seguinte situação: Conduta Violenta do Jogador N°19 Nicolás Hernán Gonzalo Otamendi (ARG) contra um adversário colocando em risco a integridade física do mesmo com uso do braço no rosto", informa parte do ofício.

O lance causou muita indignação nos jogadores e na comissão técnica da Seleção Brasileira. Na transmissão da TV Globo, o comentarista de arbitragem Paulo César de Oliveira também disse que era para Otamendi ter sido expulso na jogada.