Neste mês de outubro, o São Paulo mudou o comando técnico, saiu Hernán Crespo e chegou Rogério Ceni. Em entrevista ao programa 'Bola da Vez' da ESPN, que vai ao ar no próximo sábado (30), o presidente do clube, Julio Casares, falou sobre a troca e elencou motivos para saída do argentino. 

Sobre chegada de Crespo e queda: "O Crespo veio, correspondeu com uma dinâmica de jogo. Toda a semana nós fazemos reuniões de avaliação. Toda segunda ou terça-feira, da semana anterior. E foram mais reuniões, isso foi sendo colocado pelo próprio Hernán, pelo Muricy, por todos nós um caminho difícil de superação. O São Paulo caiu muito gravemente nas suas atuações, a sua dinâmica".

A avaliação foi da dificuldade de Crespo em conseguir levantar o time: "E o próprio Crespo já mostrava a dificuldade na superação. Isso não o coloca pra baixo. E mesmo assim, o São Paulo, há três rodadas, ainda tentou, insistiu. Depois disso foi discutido e é em comum acordo, porque o próprio Hernán sentiu uma dificuldade de uma reação".

 

Julio revelou uma conversa com Ceni, quando o técnico ainda estava no Flamengo: "Eu sempre digo que falei isso para o Rogério, quando ele foi campeão pelo Flamengo, no jogo que o São Paulo ganhou na última rodada do Campeonato Brasileiro. Eu abracei o Ceni e falei: 'Um dia nós vamos trabalhar juntos de novo', e aconteceu".

Por fim, Casares deixou as portas abertas para Crespo no futuro: "Eu falo a mesma coisa para o Hernán Crespo. O Crespo é um grande profissional. É uma pessoa que é mais novata no cargo, na experiência como técnico. Mas ele pode voltar ao São Paulo. Então é muito importante que os profissionais que passem pelo São Paulo deixem a porta aberta. E o Crespo tem essa porta aberta. Isso tudo passa por um entendimento. E eu digo para finalizar: o Crespo deixou um legado, não só o título, que há 16 anos o São Paulo não ganhava. Há 16 anos o São Paulo não gritava campeão. O Crespo foi o técnico que nos levou à conquista com os atletas, que são bons atletas, mas também deixou um legado".