A técnica da Seleção Brasileira Feminina de futebol, Pia Sundhage, já tem duas medalhas de ouro em Jogos Olímpicos no currículo. E foi justamente isso que fez com que a treinadora sueca fosse contratada: para levar o Brasil ao lugar mais alto do pódio. E é exatamente isso que ela vem tentando fazer em Tóquio com um lema que tem passado sempre para as jogadoras. União do grupo e compactação em campo.



"Quando você olha para os melhores momentos da Seleção, a palavra-chave é compactação, tanto na defesa quanto no ataque. Tivemos algumas situações em que a qualidade individual se sobressaiu, ofensivamente ou defensivamente - caso da Rafaelle, por exemplo. Quando estamos na mesma página, é um bom retrato de que, se estivermos compactas, estaremos bem", disse a técnica, em entrevista coletiva, nesta quinta-feira. E ainda foi além:


"Se você está nas quartas de finais de uma Olimpíada, você supera todos os obstáculos, porque você realmente quer jogar aqueles 90 minutos e alguns mais, se o jogo for à prorrogação. Na conversa pré-jogo que teremos daqui a pouco, é tudo sobre o jogo, sobre como derrotar o Canadá, conseguir boas situações em campo e acreditar em algo", completou.


Pia Sundhage também comentou sobre as adversárias da próxima rodada, que será de mata-mata: "Elas têm um excelente time. O último jogo foi apertado e elas estão em nono no ranking, e eu espero que tenhamos um bom jogo. Precisamos fazer o nosso melhor em termos de defesa, por exemplo", analisou a técnica, que deixou transparecer toda sua confiança na equipe para o primeiro duelo decisivo.



O Brasil vai a campo nesta sexta-feira (30), para enfrentar o Canadá, pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A partida começa às 5h, horário de Brasília. Caso conquiste a vitória, a seleção já terá chances de, ao menos, conquistar a medalha de bronze.