Por ter conquistado a Copa Libertadores novamente nesta temporada, o Palmeiras irá receber cerca de R$ 12 milhões de premiação da Crefisa, sua patrocinadora. Porém, a valor ne entrará no caixa do Verdão, já que a premiação será para abater um pedaço da dívida do clube com a empresa. 

Com o valor, o Palmeiras abaterá repasses de parcelas das negociações de Carlos Eduardo com o Athletico e Bruno Henrique com o Al-Ittihad, da Arábia Saudita e conseguirá terminar 2021 com a dívida na casa dos R$ 110 milhões.

Com a bonificação do título e a venda de Borja para o Junior Barranquilla, da Colômbia, a expectativa da diretoria do Verdão é de que a dívida caia para menos de R$ 100 milhões no começo de 2022. 

O Palmeiras irá devolver para a Crefisa os valores que recebeu para contratar os jogadores Borja, Luan, Deyverson, Dudu, Guerra (que já se aposentou) e Juninho. Isso foi acordado após uma reunião do Conselho Deliberativo, que o Palmeiras ainda determinou que a quantia paga nos atletas teria o acréscimo de juros baseados na taxa de CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

Se algum jogador que foi contratado for negociado, o Palmeiras irá devolver o valor com juros ao ser pago pela transferência. Já se o atleta sair por um valor menor, como no caso de deixar o clube após o fim de contrato, o Verdão tem dois anos para pagar o que deve à parceira.