Se as coisas não vêm bem dentro de campo dentro do Santa Cruz, fora de campo estão piores. No último dia 26 deste mês, o atacante Anthony, de apenas 17 anos, entrou na Justiça contra o Tricolor, alegando seis meses de salários atrasados do Clube. Seu contrato ia até junho de 2024 e o registro da rescisão já foi feito no BID da CBF. O valor da causa é de R$ 65.363,66. 

 

De acordo com o staff do jogador, o atraso se deu em novembro do ano passado e a última vez em que o Santa Cruz pagou o salário do atleta, orçado em R$ 1.100, foi em fevereiro deste ano. Além disso, a defesa do atacante alega que ele não recebeu um ano de FGTS, além de férias e 13º salário proporcional ao ano de 2021. Seu contrato profissional com o Santa foi assinado no dia 18 de junho. 

Anthony ainda não havia feito nenhum jogo profissional pelo Tricolor do Arruda, mas já tinha uma investida do Atlético Mineiro pelo seu futebol num contrato de empréstimo até o dia 31 de janeiro de 2024, com o Clube de Belo Horizonte tendo o direito de exercer opção de compra no valor de até R$ 600 mil. Na proposta, o time tinha a opção de adquirir 100% dos direitos federativos e 70% dos direitos econômicos por R$ 400 mil, pagos em oito parcelas de R$ 50 mil. 

O contrato também oferecia uma opção de compra de mais 10% dos direitos econômicos do atleta por mais R$ 200 mil a serem pagos em cinco parcelas. Anthony disputou três jogos da Copa São Paulo de Futebol Júnior, mas ainda não havia atuado pelo time profissional do Santa Cruz. Ele se junta a nomes como Arian, Léo Gaúcho, Felipe Cabeleira, Caetano e Marcel, que deixaram a equipe nos últimos anos. 

No ano passado, o Santa Cruz foi novamente rebaixado para a Série D do Campeonato Brasileiro. Em 2022, o Clube tenta se reerguer, embora tenha perdido recentemente o técnico Leston Júnior e mais alguns jogadores. No momento, a equipe soma oito pontos na competição e amarga o sexto lugar do Grupo D, fora do grupo de classificação para a próxima fase. No domingo (5), o Tricolor recebe o Sergipe no Arruda.