Embalado na temporada, o Flamengo se prepara para a grande decisão da Supercopa do Brasil contra o Palmeiras, marcada para este domingo (11), às 11h, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Um possível título diante do maior rival nesse momento no país pode render ao Rubro-Negro mais R$ 5 milhões.

 

Esse dinheiro é muito bem-vindo para os cofres do clube carioca, que foram muito prejudicados por conta da pandemia, que acabou afastando a imensa torcida nos estádios e afetou bastante o fluxo de caixa do atual bicampeão brasileiro. A falta de dinheiro foi fundamental para a desistência da contratação do lateral-direito Rafinha, que no final, acabou se acertando com o Grêmio. 

 

No momento, para a ala direita, o Mengão conta somente com Maurício Isla. No entanto, nos últimos dias, um dos melhores laterais do futebol sul-americano foi oferecido ao Flamengo: Luis Advíncula, do Rayo Vallecano, da Espanha e da seleção peruana. O jogador quer voltar a atuar na América do Sul, mas a princípio, o seu destino não deve ser o Rio de Janeiro. 

 

Isso porque, Rogério Ceni e os dirigentes do Rubro-Negro entenderam que o peruano também é um jogador que desfalcaria o Flamengo nas datas Fifa, vez que, nesta temporada, os atletas irão se dividir entre seus clubes e seleções que irão disputar as Eliminatórias e a Copa do Mundo. Como o Mengão já tem Maurício Isla, que certamente será um desfalque em breve, os cartolas não queriam perder dois profissionais de uma só vez na mesma posição. Por isso as tratativas acabaram não avançando. 

 

Além do Flamengo, o peruano foi oferecido para o Internacional e o Grêmio. Os dois times gaúchos, assim como a equipe carioca, aprovaram a ideia de ter o lateral em suas equipes, mas por hora não avançaram nas tratativas.