Todo atleta olímpico sonha em disputar os Jogos Olímpicos. Quando chega até lá, a meta se torna o pódio e quando você fica no quase duas vezes, se torna mais do que qualquer coisa. Esse é o sentimento do nadador Bruno Fratus. Em entrevista ao canal SporTV, o brasileiro fez um longo desabafo sobre todas essas circunstâncias que fizeram parte do seu ciclo profissional até a conquista do bronze neste sábado.



"Fiquei no quase em 2012 e no Rio, em 2016. É um grito de finalmente medalhista olímpico, finalmente realizei meu sonho de quando tinha 11 anos de idade. Isso não teria acontecido sem o suporte, o amor, a amizade e a torcida de todo mundo que está agora do meu lado. E não teria sido sem a palavra de quem duvidou também", declarou na entrevista.


E uma pessoa em especial ganhou um grande depoimento de Bruno: sua esposa Michelle Lenhardt, que é ex-nadadora e assumiu o papel de técnica do amado. Estou há uma semana com dificuldades para dormir, estava muito nervoso. E foi justamente o que a Michelle me falou antes de entrar no balizamento que me motivou: 'Eu te amo, vai ser feliz, e independente do que acontecer eu continuo te amando, e a gente vai ser feliz'. E foi isso o que eu pensei a prova inteira, ir ser feliz", disse.


Além da esposa, a mãe e o pai do medalhista de bronze nos 50m livre também foram citados num momento de agradecimentos. O Comitê Olímpico do Brasil e o Minas Tênis Clube foram exaltados. Logo em seguida, Bruno cessou os nomes, contando que ainda tem centenas de pessoas das quais ele vai precisar agradecer e abraçar pessoalmente pelo apoio.



"Se é para deixar uma mensagem, é que nós somos o melhor povo, temos o melhor país do mundo. Eu moro nos Estados Unidos há algum tempo, e todo mundo lá gosta do Brasil e do povo brasileiro. A gente é muito capaz. Então, assim como eu fiz hoje, se permitam ser o povo que a gente pode ser e o país que a gente pode construir. Porque a gente está entre os melhores do mundo", finalizou Bruno, quase indo às lágrimas durante o ao vivo.