Philippe Coutinho é o assunto do momento no mercado da bola. O camisa 14 tem contrato válido com o Barcelona até junho de 2023, mas não deve seguir na Catalunha em 2022. Inclusive, Xavi Hernández se manifestou sobre o futuro do meia-atacante defendendo as cores Azul e Grená, deixando claro que saídas precisam acontecer para que novos reforços cheguem ao Camp Nou. 

Mais cedo, o Bolavip Brasil repercutiu a versão do técnico sobre o destino de Coutinho: “Não falei com o Philippe. Ele é profissional e nos ajuda. Para ter entradas precisam ter saídas. Também estamos tentando fechar a inscrição do Dani Alves, pode ser hoje. Para inscrever atletas precisamos de saídas ou que Dembélé renove seu contrato”, disse o ex-jogador e ídolo do Barça. 

Cria do Vasco da Gama, Philippe está avaliado em 18 milhões de euros (R$ 115,1 milhões de reais na cotação atual), segundo projeções do site Transfermarkt. Especulado em clubes da Premier League, como por exemplo os rivais de Manchester e o novo rico, Newcastle, o brasileiro de 29 anos também é o sonho de rivais do Cruz-Maltino no Brasil. 

O Palmeiras apareceu primeiro como possível destino do meia, mas logo o Flamengo surgiu na jogada para monitorar a situação do jogador revelado na Colina Histórica. Ambos os clubes, e suas respectivas torcidas, enxergam no jogador ex-Vasco uma ótima oportunidade de mercado a ser aproveitada na janela de transferências. 

Recentemente, a joia vascaína lamentou o momento do Almirante e projetou uma volta: “É um momento difícil. Eu, como torcedor, acompanho de longe. Sempre quero o melhor para o Vasco, tenho um carinho e uma gratidão enorme pelo clube. Vivi muitos anos lá. Espero um dia voltar. Fico de longe torcendo, querendo o melhor para esse clube”, sinalizou. 

No currículo, o jogador soma títulos como La Liga (2x), Taça da Espanha (2x), Champions League (1x), Bundesliga (1x), Taça da Itália (1x), Supertaça da Itália (1x), Copa América (1x), Mundial Sub-20 (1x), dentre outros. Em 427 jogos na carreira, são 101 gols anotados e 75 assistências. O atleta nunca foi expulso de um confronto.