O futebol brasileiro tem como uma de suas marcas mais tradicionais, a rivalidade entre clubes centenários. No Rio Grande do Sul, está  uma das maiores e mais emblemáticas relações entre oponentes. Grêmio e Inter colecionam histórias de confrontos dentro e fora de campo, porém, o técnico do rival, Mano Menezes, vê espaço para um inusitado diálogo, capaz de resolver um problema que marca os dois clubes.

Neste contexto, Mano Menezes conhece a realidade tanto do Tricolor dos Pampas, quanto do rival, ao qual comanda atualmente. Mano foi treinador do Imortal entre 2005 e 2007, foi um dos protagonistas do retorno do Grêmio à elite. Em tal ano, o Imortal vivenciou a inesquecível Batalha dos Aflitos, jogo épico em que o Tricolor superou o Náutico, em Recife.

Com dificuldades para se deslocar durante a temporada, Grêmio e acabam em desvantagem em relação a clubes que estão no centro do Brasil. Tal desvantagem se reflete no desgaste dos elencos. Entretanto, para Mano Menezes, o problema pode ser resolvido com a união dos dois arquirrivais.

“Se um dia for dirigente, sentarei com os dois mandatários dos grandes clubes e sugerirei comprar um avião. Desde que o estádio em Milão é usado por dois clubes, descobrimos que é possível. Poderíamos chegar a isso, tal a importância do deslocamento. Dar condição a quem é contratado de render o máximo. Temos parte do orçamento destinado para jogos onde se precisará usar voos privados”, detalhou Mano em entrevista ao grupo RBS.

A declaração de Mano Menezes não é totalmente fora de possibilidades, pois os Clubes já passaram por momentos de cordialidade, com amizades entre as diretorias. Isso ocorreu em 2015, quando as duas torcidas dividiram espaço nas arquibancadas. Outro fato notório, é o bom relacionamento entre o ex-presidente Romildo Bolzan e o ex-presidente do rival, Marcelo Medeiros. Ambos, procuravam um constante contato, inclusive para ações em comum.