O tenista Novak Djokovic será deportado da Austrália e não jogará o Australian Open, afirmou o colunista Paul Bongiorno, do The Saturday. De acordo com o jornalista, o anúncio da deportação do sérvio ocorrerá nesta quinta-feira (13) pelo Ministro de Imigração local, Alexander Hawke. O motivo seria a alegação que Djokovic mentiu numa declaração no processo de entrada à Austrália. 

Djokovic teria declarado que não viajou para nenhum outro país nos 14 dias anteriores ao voo para Austrália. O sérvio viajou da Espanha até Melbourne, com chegada no último dia 4 de janeiro. No entanto, há evidências dele ser fotografo em Belgrado, na Sérvia, no dia 25 de dezembro. Isso viola o termo assinado pelo tenista, o que pode causar uma pena de prisão por até 12 meses. 

O número 1 do mundo estaria aguardando a investigação da Força de Fronteira Australiana sobre a inverdade no preenchimento do formulário. Em suas redes sociais nesta terça (11), o sérvio colocou a culpa em seu agente por assinar o documento de forma errada, mas que estariam resolvendo o imbróglio com o Governo da Austrália. 

Djokovic ainda enfrenta outro escândalo: o de ser ajudado por autoridades sérvias para falsificar um teste positivo de Covid-19, segundo revelaram jornalistas alemães do Der Spiegel. As notícias negativas surgem depois de Djokovic ser liberado da reclusão em um hotel para refugiados na segunda-feira (10), o que o possibilitou treinar para o Grand Slam que começa no próximo dia 17 de janeiro.