Nesta semana, o Santos anunciou um acordo feito para aliviar sua saúde financeira. O Clube conseguiu, através do Poder Judiciário, a chance de apresentar um plano para pagar todas as execuções cíveis movidas contra ele em um prazo de até 10 anos. Com isso, o Santos conseguiu evitar qualquer penhora nos próximos dois meses. Neste ano, o Peixe poderia ter até R$ 80 milhões retidos pela Justiça em valores de patrocínio, direitos de transmissão e vendas de jogadores. 

Nos próximos dois meses, o Clube vai apresentar à Justiça um plano para pagar os seus credores. Um deles é a DIS, que chegou a conseguir uma penhora no valor de R$ 15,6 milhões por conta de uma dívida. Em entrevista ao GE, o presidente do Santos explicou com detalhes o plano do Peixe, que segundo o próprio, é o fim do pesadelo para o Clube. 
 

“Como funciona? Eu tenho um monte de dívidas. Agora, tenho um prazo de 60 dias para fazer uma programação de pagamentos. Vou pagar esse, esse e esse, tanto e tanto por mês. Você tem inicialmente seis anos para honrar esses pagamentos e, se pagar direitinho, 60% do valor nesse período, você ganha mais quatro. Você ganha a possibilidade de negociar tudo em 10 anos”, afirmou o presidente Andrés Rueda. 

“Obviamente, você passa a ter uma margem muito boa para fazer um novo acordo. Agora, o dinheiro não está mais com eles. Os credores podem levar até 10 anos para receber. A Justiça coloca um interventor. Abre-se um diálogo. Mas ninguém quer se aproveitar dos credores. Entendemos que eles de certa maneira deixaram dinheiro no Santos”, completou o mandatário do Santos. 

Além de aumentar o prazo, o Clube agora pode até oferecer aos seus credores um novo acordo para pagar os valores em um período menor que o de 10 anos. “Se a nossa situação daqui a um ano estiver melhor, eu tenho possibilidade de voltar e fazer uma proposta. Eu tenho margem de poder negociar”, completou o presidente Andrés Rueda. Neste domingo (24), o time volta a campo para encarar o América-MG, na Vila Belmiro.