O jogo de poker sempre foi muito bem retratado pelo cinema. O filme “Rounders”, traduzido para o português como “Cartas na Mesa”, por exemplo, é considerado um divisor de águas na popularização desse esporte da mente. Nos últimos anos, era esperado que uma nova obra suprisse a carência de outras produções sobre o jogo. “Poker Face”, com a direção de Russel Crowe foi muito aguardado, mas acabou frustrando os apaixonados pelo jogo.

Além da direção, o ator neozelandês também atua no filme como um dos personagens principais. Na obra ele é Jake Foley, um bilionário que reúne os amigos de infância em uma mansão para um jogo High Stakes de poker, contudo, o baralho é apenas uma fachada para que muito mistério seja revelado. “A vida é apenas um jogo, é tudo como você lê e responde aos seus oponentes”, diz o personagem de Russel Crowe.

O filme ainda não tem data para estreia no Brasil, mas se depender da crítica especializada não vai cair no gosto dos jogadores de poker. Erick Massoto, do site “Collider”, criticou a produção, que por conta da Covid demorou dois anos para ser feita. “O filme constantemente tenta aumentar a aposta e trazer novos elementos para a mesa, mas você percebe rapidamente que é tudo um blefe”, escreveu.

Já o crítico Richard Roeper, do jornal “Chicago Sun Times”, ficou frustrado com a ausência do poker na obra. Segundo ele, apenas uma mão aparece logo no começo, quando dois jogadores vão de all-in com um flush-draw e não acertam a pedida. “Foi a única vez que vimos uma mão de poker e logo em uma situação anticlimática”, disse o jornalista.