Foram 21 anos de espera. A torcida do Palmeiras não conquistava a Libertadores, e qualquer título internacional, desde 1999, quando São Marcos e companhia levantaram o torneio mais importante da América do Sul. Em 30 de janeiro de 2021, o Verdão conquistou o bicampeonato diante do Santos, no Maracanã, em partida com certa dose de emoção.

O gol foi marcado apenas aos 54 minutos do segundo tempo, quando tudo indicava que o jogo iria para a prorrogação. Rony recebeu um lançamento no lado direito do ataque e cruzou. Na segunda trave, Breno Lopes ganhou no alto de Pará e cabeceou no canto esquerdo. Foi, sem dúvida, um herói improvável: Breno era reserva e havia chegado ao Palmeiras em 11 de novembro de 2020, contratado junto ao Juventude.

Aquele momento foi inesquecível não só para os milhões de torcedores palmeirenses, mas também para Breno Lopes e toda a sua família. Lucilene Vasconcelos, mãe do atacante, estava no Maracanã naquele dia, bem próxima ao campo. Ao Bolavip Brasil, ela relatou como foram os momentos desde a entrada de Breno na partida até o gol.

“A gente estava muito confiante que o professor (Abel Ferreira) pudesse dar a oportunidade de ele entrar. Quando ele entrou, a gente se surpreendeu muito, mas também acreditou muito que ele tinha o potencial para dar o melhor e ajudar a equipe”, declarou Lucilene.

Ela ainda disse que identificou, no calor do momento, que o gol havia sido do filho. Veja como ela descreveu o momento: “Como ele entrou no finalzinho, a gente estava muito ansiosa para acompanhar todos os lances dele. Foi uma emoção muito grande. Chorei muito, foi um momento inesquecível, tanto para mim, quanto para o pai dele, que estava ao meu lado”.

A camisa de Breno Lopes, número 19, tirada por ele na comemoração, foi guardada para sempre pela família. Antes, ela havia sido emoldurada e colocada nas paredes da casa deles em Joinville, Santa Catarina, onde mantêm residência. Vinda de Minas Gerais, a família se mudou para o interior catarinense quando Breno foi jogar lá, em 2015.

Porém, nesta semana, o atacante pediu que a mãe trouxesse a vestimenta a São Paulo e, posteriormente, levasse ela para Montevidéu. Lucilene estará utilizando a camisa na hora do jogo. Ela, assim como todos os familiares dos jogadores, sairão da capital paulista na madrugada de sexta para sábado, a tempo de assistir à partida contra o Flamengo.

A vida da família mudou bastante após esse gol, inclusive financeiramente, segundo Lucilene: “Sim, com certeza, foi uma mudança muito rápida e inesperada. A gente não esperava tudo isso que aconteceu. Muitas fotos dele, vídeos, comentários, rede social, toda hora mostrava. Falaram do começo dele, foram até Minas e fizeram muitas matérias. Nossa vida mudou muito, ele me deu uma casa, realizou um sonho meu. Muita gratidão mesmo”.

Uma semana depois, o Palmeiras disputou o Mundial de Clubes no Catar e foi eliminado nas semifinais pelo Tigres, do México, terminando a competição em quarto lugar. Breno Lopes não estava no elenco que viajou ao país asiático, pois havia sido contratado depois do prazo estabelecido pela FIFA. Foi uma forma de ele ficar mais próximo da família nos dias subsequentes à decisão da Libertadores.

“Ele ficou triste de não ter ido, a gente também. Isso nos pegou de surpresa, estávamos confiantes de que ele poderia ter ido. Mas a gente também ficou feliz pelo que aconteceu, por esse grande título que ele deu”, declarou a mãe de Breno. Além da camisa, ela ainda cita prêmios como o de melhor em campo, ainda no Juventude, e a medalha e o troféu da Libertadores de 2020.

Sobre a decisão de sábado (27), contra o Flamengo, Lucilene afirma que será difícil, mas que a equipe está preparada. Ela acredita que o Palmeiras vai voltar do Uruguai com a taça na bagagem. Perguntada se alguém já ofereceu alguma quantia pela camisa, ela disse que sim, mas reiterou: “Não tem dinheiro que pague”.

Veja os melhores momentos de Palmeiras 1x0 Santos, pela final da Libertadores de 2020: