O Botafogo aguarda a decisão do Conselho Deliberativo para confirmar a venda de 90% das ações da SAF para John Textor, sendo uma esperança de resolução para os problemas financeiros. Isso ajuda a explicar a dificuldade do Glorioso em se reforçar no mercado de transferências, já que o zagueiro Klaus, os volantes Breno e Fabinho, e o atacante Vinicius Lopes vieram após ficarem sem contrato. Além disso, o Fogão tenta encontrar a solução para manter Luís Oyama para 2022.

O volante esteve emprestado ao Botafogo em 2021 cedido pelo Mirassol, e acabou sendo um dos destaques da equipe na campanha do título da Série B. Por conta disso, o passe do jogador ficou valorizado, dificultando os planos do Glorioso em negociar com a equipe paulista, que teve uma primeira oferta de R$1 milhão parcelado por 30% dos direitos de Oyama recusada. Contudo, uma segunda investida do Fogão deve ter um final feliz para a torcida alvinegra.

Segundo informações do jornalista Matheus Medeiros, do ‘Canal do Medeiros’, o Mirassol está tentado a aceitar a prorrogação do empréstimo de Luís Oyama até o final de 2022, com um valor de passe fixado para compra em definitivo do atleta ao término do novo contrato. Isso pode ser explicado pela própria vontade do volante, que deixou claro, tanto para os dirigentes do clube paulista, quanto para o Botafogo, que gostaria de permanecer na equipe alvinegra por mais uma nova temporada.

Vale lembrar que o Mirassol chegou a fazer uma contraproposta ao Glorioso, pedindo R$3,5 milhões por 60% dos direitos de Oyama, um valor fora da realidade da diretoria alvinegra. Por outro lado, o Fogão deve exercer seu direito de compra em caso de um novo empréstimo, já que o aporte financeiro de Textor dá mais segurança financeira. Como a vontade do volante ‘fala mais alto’, a tendência é que o Botafogo anuncie um novo acordo nos próximos dias.