Em 2011, o Vasco era uma das principais equipes do futebol brasileiro, sempre brigando pela parte de cima da tabela do Brasileirão e buscando títulos cariocas e nacionais. Naquele ano, o Gigante da Colina conquistou a Copa do Brasil em cima do Coritiba, em pleno Couto Pereira. Relembre a trajetória do título. 

Primeira fase

Na época, por conta do calendário apertado (o que não mudou muito), os times brasileiros presentes na Copa Libertadores da América, não poderiam disputar a competição nacional. Assim, a equipe vascaína entrou na primeira fase da competição e bateu o Comercial-MS por 6 a 1 com gols marcados por Marcel (duas vezes), Fellipe Bastos, Jeferson, Romulo e Eder Luís.

Segunda fase

Após passar pela equipe sul-mato-grossense por goleada, o Vasco passou para a segunda fase da competição e duelou com o ABC, de Natal. Em um duelo bem truncado e com os mandantes se fechando bem, a partida terminou em empate sem gols e a decisão ficou para São Januário. 

O duelo da volta foi começou bem traumático para o torcedor vascaíno. Logo na primeira etapa, o ABC conseguiu abrir o placar em um bom contra-ataque e abriu uma vantagem interessante, visto que o empate favorecia os nordestinos. Mais tarde, Alecsandro e Bernardo, no finalzinho da partida, conseguiram a virada e consequentemente a classificação para as oitavas de final.

Oitavas de finais

Na próxima fase, mais um nordestino no caminho vascaíno. A equipe encarou o Náutico, que sempre foi um rival difícil historicamente para os cariocas. Entretanto, o Vasco deixou o retrospecto da época para longe e conseguiu um placar bem gordo ainda na primeira partida. Dedé, Alecsandro e Bernardo fizeram os gols da vitória.

Já com a classificação bem encaminhada para as quartas de final, o Vasco tirou o pé e apenas controlou as ações do jogo e entrou com uma equipe bem mexida, sem alguns titulares. O confronto foi especial para o Maestro Felipe, grande ídolo da torcida, que completou 300 com a camisa do Gigante da Colina. Como resultado, o confronto terminou sem gols.

Quartas de finais

Os dois jogos contra o Athletico Parananense (Atlético na época) das quartas de finais foram emocionantes e os mais difíceis e lembrados pela torcida cruz-maltina. Na partida de ida, na antiga Arena da Baixada, o Vasco conseguiu um bom resultado ao ficar no empate em 2 a 2. Diego Souza e Alecsandro fizeram os gols vascaínos, Guerron e Paulo Baier balançaram as redes para o Furacão.

Na volta, Nieto abriu o placar para os paranaenses e Elton fez o de empate e classificação por conta dos dois tentos feitos fora de casa. Com emoção até o final e o Estádio São Januário lotado, o Vasco conseguiu a vaga para as semifinais da Copa do Brasil. 

Semifinais 

Nas semifinais, Julinho abriu o placar para o Avaí, em São Januário. Mas, no finalzinho, Diego Souza fez de pênalti, que ele mesmo sofreu e deixou o empate no placar. Durante entrevista, o atacante Willian Batoré, dos catarinenses, provocou os vascaínos ao afirmar que a sua equipe passaria com o apoio da torcida.

Mordidos, o Vasco da Gama fez uma atuação de gala, sem dar chances para o Leão. Aos 9 minutos de partida, Diego Souza abriu o placar para o Cruz-Maltino. Logo depois, em cobrança de falta levantada na área, o zagueiro Revson, do Avaí, acabou desviando a bola e marcando contra. Placar final: 2 a 0. 

Final 

O Vasco foi para final e enfrentou o Coritiba, que passou pelo Palmeiras por goleada, em Curitiba. A partida de ida, no Rio de Janeiro foi bem truncada, sem grandes oportunidades. Artilheiro da competição naquele ano, Alecsandro fez o único gol e levou vantagem para o Couto Pereira. 

Na volta, novamente Alecsandro deixou sua marca para o Vasco e abriu o placar. Rapidamente, o Coritiba conseguiu a virada com o atacante Bill e o meio-campista Davi. Aos 14 minutos da segunda etapa, após lançamento, Alecsandro conseguiu o desvio e Éder Luís dominou, bateu e empatou o confronto. No final, Willian Farias ainda fez o 3 a 2, mas por conta dos gols fora, a equipe se tornou campeã da Copa do Brasil de 2011.