Recentemente o mercado da televisão no Brasil viu uma nova reviravolta nos direitos de transmissão da Libertadores da América. Após três anos de cobertura feita pelo SBT, a maior competição de clubes do continente volta à rede Globo. Essa edição do campeonato será a última nas telas da empresa de Sílvio Santos. Os jogos do torneio, que voltam ao Plim Plim no próximo ano, estão garantidos pelo menos até 2026.

Esse jogo de cadeiras dos eventos esportivos entre canais de televisão ganhou episódios durante a pandemia. Os canais Globosat viram muitos produtos indo embora da empresa, que teve que reagir utilizando novas modalidades. Ao reflexo disso, foi possível acompanhar eventos esportivos em praças não tão tradicionais. Foi o caso do SBT, que passou a veicular jogos da Libertadores e da Champions League. Mas como será que o espectador, o cliente desse lucrativo negócio, reagiu?

 

Durante esse cabo de guerra entre as empresas de comunicação no país, o assunto foi amplamente debatido na internet. Existia quem defendesse a transferência dos direitos para outras emissoras, pois segundo eles, iria diminuir um suposto monopólio na comunicação esportiva no Brasil. Entretanto, houve quem reclamasse da qualidade das transmissões nesses novos lugares, e defendesse que a volta dos jogos na Globo ainda demorou. Mas pelo visto, não foi apenas o cidadão comum que ficou feliz com o retorno da Libertadores para a emissora global.

Segundo informações do portal “Notícias da TV”, a CBF comemorou o retorno da competição continental na Globo. O motivo indicado seria maior facilidade em organizar o calendário das transmissões entre os jogos de meio e fim de semana. Por já veicular campeonatos da entidade há muito tempo, a conversa entre Globo e CBF parece fluir melhor.