O Athletico empatou em 2 a 2 com o Cuiaba, no último domingo (18), e segue "estacionado" no sexto lugar do Campeonato Brasileiro. Atuando diante de seu torcedor, na Arena da Baixada, o Furacão sofreu um gol muito cedo, mas conseguiu virar o placar ainda no primeiro tempo. No entanto, a equipe, mesmo com um a mais em campo desde antes do intervalo, não conseguiu sustentar o resultado.

Após a partida, o técnico Luiz Felipe Scolari, em entrevista coletiva, não poupou o elenco de críticas. O experiente comandante alertou que o grupo precisa entender o nível do campeonato, assim como sua capacidade. Apesar de ter conseguido chegar na final da Libertadores, eliminando o Palmeiras, o Athletico tem tropeçado em equipes tecnicamente inferiores no Brasileirão.

"Nós somos bons, mas não essa maravilha que a gente pensa. Nós conseguimos o feito de chegar na final da Libertadores. Porém, para jogar a o Campeonato Brasileiro, quase toda as equipes são iguais", disse Felipão, que explicou como será a cobrança aos jogadores antes da partida contra o Santos, que acontecerá apenas no dia 27 (terça-feira).

"Quando nós mentalizarmos que somos iguais aos outros no Campeonato Brasileiro, pode ser que a gente faça alguma coisa a mais para merecer a vitória. Hoje não merecemos. Eu não vou cobrar deles mais do que a gente pode. Agora, a cobrança vai ser feita com os jogos que temos pela frente", adicionou o treinador. 

Na visão de Felipão, um dos problemas diante do Cuiabá foi a dificuldade para se impor na luta pelas primeiras posições na tabela. "A gente tava acelerado. A ideia de sermos segundo, terceiro faz com que a gente tome certas atitudes. Nós não vamos ser. Então, temos que parar com isso. Não é o maior time do Brasil, esqueça. É uma equipe competitiva. Temos que saber jogar", analisou.