Atlético-MG, Flamengo e Internacional contrataram técnicos estrangeiros para a próxima temporada, a equipe Rubro-Negra finalizou as negociações ainda em dezembro com Paulo Sousa e a equipe Colorada com Alexander ‘Cacique’ Medina. Já o Galo levou um período maior desde a saída de Cuca, fechando apenas na última quinta-feira (14), com Antônio ‘Turco’ Mohamed. Durante o podcast ‘Posse de Bola #193’, o jornalista Mauro Cezar Pereira afirmou que existe uma diferença entre os perfis procurado pela diretoria do clube.  

 

"O Inter e o Flamengo escolheram seus técnicos, o Atlético-MG não escolheu o seu técnico, ele ficou com quem estava na pista. Pintou aí o Antonio 'El Turco' Mohamed, um técnico um tanto quanto controverso. Um ponto bem importante frisar é o seguinte, a história dele e do filho dele, a morte do filho, é uma história emocionante, bacana, agora, o técnico Mohamed, primeiro, na Argentina, eu conversei com vários colegas e ninguém entendeu a contratação". 

"Todos ficaram surpresos porque hoje o continente olha para o Atlético-MG como um campeão brasileiro, campeão da Copa do Brasil e semifinalista da Libertadores, tem um time forte, eliminou o River Plate, eliminou o Boca Juniors. 'Esse time é bom, eles têm grana hein. Quem vai treinar? É o Turco Mohamed. Como assim?' Essa é a reação dos colegas argentinos porque não era um nome cogitado para tanto, e uma oportunidade muito grande para esse momento da carreira dele", completou Mauro.  

Mauro ressaltou que isso não quer dizer que não dará certo, e lembra que Abel Ferreira não era a primeira opção do Palmeiras e está caminhando para a sai terceira temporada pela equipe: "O Atlético-MG não escolheu o técnico, ouviu alguns 'nãos'. Pode dar certo, óbvio, aí só bola de cristal, mas não foi o Atlético-MG que escolheu, foi o que sobrou, foi o que pintou, o mercado escolheu para ele, de certa forma foi isso. O Internacional queria o Paulo Sousa, o Paulo Sousa foi para o Flamengo e ele foi direto no uruguaio Cacique Medina e contratou. O Flamengo foi atrás do Jorge Jesus, não tendo o Jorge Jesus antecipou e escolheu o técnico que pareceu mais parecido com perfil do time". 

"Me pareceu muito amador o Atlético-MG, que tem um profissional que é o Rodrigo Caetano à frente do departamento de futebol, diretor executivo, muito amadora a forma como se buscou o técnico. Para quem tem um profissional contratado para isso, me pareceu muito amador você ficar à distância. Tentaram alguns, e depois pintou um nome assim meio que vamos ver o que acontece. Pode dar certo, o Abel Ferreira também não era a primeira opção do Palmeiras e o palmeirense está satisfeito porque o Abel ganhou três títulos importantes", finalizou.