Após ameaças e protestos da torcida, Edenilson “está extremamente desgastado”, de acordo com o jornalista Vagner Martins, da TV Bandeirantes. O meia, como todos sabem, está na mira do Al-Shabab, que teria feito uma proposta de US$ 1,9 milhão de dólares (cerca de R$ 5,17 milhões, na cotação atual).

João Patrício Herrmann, vice de futebol colorado, concedeu entrevista à reportagem do ‘GE.com’ e revelou que Edenilson não terá sua saída facilitada. De acordo com o dirigente, o camisa 8 é uma das peças mais importantes do elenco e recebeu “ataques covardes” da torcida de forma injusta.

“Reconheço que o Edenilson está chateado, perdeu um pênalti e teve suas redes sociais invadidas de forma covarde. Também tive. Ameaçaram até minha filha. Faz parte do futebol. Infelizmente esse ambiente traz pessoas com outros interesses, uma idoneidade diferente da nossa”, disse.

“Faz parte. Não vamos abrir mão do Edenilson. A não ser que venha uma proposta que cubra os interesses do atleta e daquilo que está em contrato”, completou Herrmann.

Edenilson entende que seu ciclo no Inter está encerrado e vê com bons olhos uma possível ida ao Oriente Médio. O capitão já completou 231 partidas pelo clube, com 32 gols marcados. Também é o artilheiro da equipe no Brasileirão, com seis gols, metade do que o Inter fez na competição.