Em três meses de trabalho, Hernán Crespo já caiu nas graças da torcida do São Paulo. Afinal, o argentino conseguiu o que nenhum outro - nem mesmo o ídolo Rogério Ceni - foi capaz nos últimos oito anos: conquistar uma taça. O Campeonato Paulista fez o clube findar uma das maiores "secas" em toda a sua história.

Com isso, o presidente Julio Casares já pensa, inclusive, a prorrogar o contrato de Crespo. Anunciado em fevereiro, o ex-camisa 9 da Seleção Argentina assinou vínculo até dezembro de 2022, mas o mandatário tricolor pretende deixar o cargo - que expira em 2023 - com o treinador firme e forte no Morumbi.

Em participação no programa Arena SBT, na última segunda-feira (31), Casares fechou as portas até para Ceni em prol da era Crespo no São Paulo. "(Ceni) É um grande amigo, um grande ídolo de nós, são-paulinos, porém, nesses 3 anos da minha gestão, eu diria que a chance dele vir é 0%, visto que pretendemos ficar com o Crespo até o fim do meu mandato".

Ceni dirigiu o São Paulo ainda em 2017, porém foi demitido ainda na gestão de Leco. Depois disso, o ex-goleiro fez excelente trabalho no Fortaleza - com breve passagem pelo Cruzeiro -, que o credenciou a dirigir o Flamengo no final de 2020. No Rubro-Negro, já foi campeão brasileiro, da Supercopa do Brasil e do Campeonato Carioca.

Aliás, Ceni e São Paulo podem se enfrentar logo nas oitavas de final da Libertadores. Nesta terça-feira (01), a Conmebol vai sortear os jogos da fase mata-mata. Segundo colocado de sua chave, o Tricolor vai enfrentar obrigatoriamente um dos melhores da fase de grupos. Ou seja, Flamengo, Palmeiras, Atlético-MG, Barcelona-EQU, Racing-ARG, Argentino Juniors-ARG Internacional e Fluminense.