A carreira de Adriano Imperador costuma ser muito questionada por quem acompanhou seus dias em campo. Não pela sua qualidade técnica, que era indiscutível, mas pelo atacante ter abandonado o futebol cedo. Ídolo do Flamengo e da Inter de Milão, Adriano falou sobre sua escolha no texto de estreia da versão brasileira da The Players' Tribune, plataforma de mídia que publica histórias em primeira pessoa de atletas.

No longo texto, entitulado "O Adriano Tem Uma História Para Contar", o ex-jogador revisita seu passado na Itália, fala sobre sua passagem pela seleção brasileira, mas enfatiza a questão de ter optado por "voltar" à vida que tinha antes de se tornar uma figura pública e faturar muito dinheiro no esporte.

Adriano rasgou elogios a Massimo Moratti, presidente da Inter na época em que jogou na equipe de Milão, e destacou o lado humano do dirigente em compreender que ele precisava se afastar do futebol. "Ele me perguntou: 'Adriano, você quer ficar aí [no Brasil] um pouquinho?'. E eu disse a ele: 'quero, sim. Não vou mentir para o senhor'. E ele aceitou prontamente. Ele me deixou sair em paz. E eu o respeito muito por isso. 'Adriano desistiu de milhões para voltar pra casa'. Sim, talvez eu tenha desistido de milhões. Mas quanto vale a sua paz de espírito? Quanto você pagaria para ter de volta a sua essência?".

No texto, Adriano nega envolvimento com drogas tanto no passado como no presente. Segundo ele, ele ficou desolado com a morte de seu pai e precisava se sentir "ele mesmo novamente". "Eu estava bebendo? Sim, claro. (...) Mas, se quiser testar, você não vai encontrar droga nenhuma no meu sangue. (...) Bebida alcoólica? Ah, isso vai dar mesmo, bastante, até porque eu gosto de tomar um danone", contou.

O ex-atacante também diz se sentir "um dos jogadores de futebol mais incompreendidos do planeta". Ele comenta que toda vez que volta à Itália, o questionam o porquê dele ter se afastado do futebol. "As pessoas realmente não entendem o que aconteceu comigo. Eles entenderam a história toda errada. É muito simples, para falar a verdade", diz ele.