A torcida do Flamengo ainda espera um desfecho positivo da chegada do Coringa Gerson. O Olympique de Marseille faz jogo duro, como em toda negociação com os franceses. O CRF sabe muito bem como é feito esse tipo de jogo, prega cautela e o famoso “gelo no sangue”. O pai e empresário do meio-campista, Marcão, cravou três vezes nas últimas semanas que já estava tudo certo e que o jogador tinha voltado. Talvez foi uma precipitação, mas a confiança ainda persiste pelo lado do pai.

Enquanto isso, o vice-presidente de futebol flamenguista, segue atento a qualquer movimentação de mercado e não medirá esforços para qualificar o elenco de Dorival Júnior. A ideia, inclusive, é ter pelo menos de três a quatro reforços já para janeiro e, assim, dar tempo para o treinador flamenguista entrosar os novatos no grupo principal do CRF.

 

Gerson ainda é um alvo, mas outros nomes aparecem à mesa de Braz. Um deles é outro jogador de “peso”, que tem grande bagagem na Europa e está se aventurando desde 2021 no futebol Árabe. Trata-se de Talisca, de 28 anos, ex-Bahia e que brilhou com a camisa do Benfica, de Portugal. É um jogador que sempre foi bem elogiado internamente por correntes da direção flamenguista.

Em várias reuniões do Conselho de Futebol, o nome foi colocado para ser discutido. O Flamengo quer ao menos dois reforços de renome para o Mundial, daqueles que causam impacto e Talisca entra nesse perfil. Segundo o portal “Transfermarkt”, o meia brasileiro está avaliado em 13 milhões de euros (R$ 71,8 milhões na cotação atual), ou seja, é R$ 38,6 milhões mais barato do que Gerson, tendo em vista que o “OM” pede 20 milhões de euros (R$ 110,4 milhões).

Talisca nunca escondeu o desejo de retornar ao futebol brasileiro, tudo porque saiu muito novo do Bahia. O contrato dele com o Al-Nassr FC vai até junho de 2024. O Flamengo teria plenas condições de contratá-lo caso realmente exista um interesse forte por sua contratação.