Uma recente reportagem mostrou o motivo pelo qual a Electronic Arts (EA) está buscando novas alternativas de nome para o seus games de futebol, com o último lançamento sendo o FIFA 22. O motivo é por causa da Federação Internacional de Futebol (FIFA), que está exigindo US$ 1 bilhão a cada 4 anos pelo uso do nome e outras questões contratuais.

De acordo com o The New York Times, a FIFA quer aumentar a arrecadação pelos direitos de nome de US$ 150 milhões por ano para US$ 250 milhões por ano, que seriam pagos a cada 4 aos em uma quantia de US$ 1 bilhão.

 

Além disso, ambos estão em desacordo com o que os direitos devem incluir. De acordo com a matéria, "A FIFA prefere limitar a exclusividade da EA aos parâmetros limitados em torno do uso em um jogo de futebol, provavelmente em um esforço para buscar novas fontes de receita para os direitos que ela possui. Enquanto isso, a EA Sports afirma que a empresa deveria ter permissão para explorar outros empreendimentos dentro de seu ecossistema de jogos FIFA, incluindo destaques de partidas reais, arena dos torneios de videogame e produtos digitais, como NFTs".

Ainda de acordo com a matéria, Piers Harding-Rolls, analista da Ampere Analysis, estimou que o Ultimate Teams rendeu aproximadamente US$ 1,2 bilhão para a EA no último ano (2020), mostrando que a EA lucra bastante com o game e que isso deve ter feito a FIFA querer aumentar a parcela recebida.

Vale lembrar que essa disputa entre FIFA e EA ainda pode demorar, então mudanças poderão acontecer provavelmente no futuro, mais perto de 2023 ou 2024. FIFA 22 está disponível para as principais plataformas, com PlayStation 4, Xbox One, PlayStation 5, Microsoft Series X | S, PC e Google Stadia.