Durante a noite da última quarta-feira (11), o Atlético Mineiro voltou a campo e foi até Bragança Paulista para enfrentar o Red Bull Bragantino. No Nabi Abi Chedid, o Galo ficou somente no empate em 1 a 1, com gol de Nacho Fernández, no segundo tempo, depois de começar perdendo o jogo. O resultado foi visto como insatisfatório para os atleticanos, que novamente voltaram a reclamar da arbitragem.

Na manhã desta quinta-feira (12), o diretor de futebol do Atlético, Rodrigo Caetano, concedeu entrevista coletiva na Cidade do Galo. Antes mesmo de abrir para as perguntas dos jornalistas, o executivo alvinegro teve um momento de críticas às decisões da arbitragem. Para ele, as coisas estão, “no mínimo, estranhas”, e o alvinegro mineiro estaria sendo prejudicado nos últimos confrontos.    

No jogo contra o Bragantino, o dirigente do Atlético entende que houve um erro grave ao anular, por impedimento, um lance que resultaria em um pênalti, consequentemente, a expulsão do zagueiro rival Leo Ortiz. O árbitro da partida, Bráulio da Silva Machado, interpretou a jogada como um desvio no defensor do Bragantino, fazendo com que Guilherme Arana estivesse impedido na jogada.

"O lance de ontem é outro absurdo, todos nós sabemos a regra. A gente faz um investimento e temos aqui um consultor de arbitragem que vem dar palestra para os jogadores, para falar das regras e explicar as orientações. Não sei se mudou as orientações agora, com o Seneme, é importante ele dizer. Verdade seja dita, é que foi inacreditável a anulação do lance que certamente mudaria a história do jogo”, disse Caetano.