O trabalho de Rogério Ceni é muito respaldado internamente e o treinador é muito querido pelos jogadores, mas isso tudo só terá algum valor significativo se resultados positivos dentro de campo acontecerem. O duelo contra o Santos será decisivo para o time comandado pelo técnico mostrar uma evolução, seja no sistema ofensivo, seja - principalmente - no chamado ‘miolo’ da zaga.
 

Ao longo da semana, Ceni tem testado algumas formações diferentes, mas sempre com a ofensividade sendo a prioridade. Bruno Henrique não teve lesão constatada, mas vem fazendo um trabalho especial junto com o departamento médico para não ter nenhum tipo de fadiga muscular ou alguma lesão que seja diagnosticada nos próximos jogos.

Pedro Rocha foi testado na posição. O atacante, que só tem contrato até dia 31 de dezembro, pode se tornar uma boa opção para o comandante, pelo que seja do banco de reservas. Ele é considerado muito bom jogador, mas os problemas físicos acabaram atrapalhando seu rendimento com a camisa flamenguista e seu futuro segue incerto. Vitinho também segue prestigiado e vem trabalhando as finalizações para ser mais produtivo.

Sem Gustavo Henrique, Natan é quem vem sendo titular ao lado de Rodrigo Caio. Rogério pode finalmente colocar a zaga dos sonhos da Nação diante dos paulistas. Léo Pereira perdeu moral com o treinador e deve ir para as últimas opções na fila para entrar em campo. Recuperado de lesão, Gabigol também treina normalmente com os companheiros. O técnico também tem dado mais liberdade ao Arrascaeta nos treinamentos; a intenção é que o uruguaio não fique preso do lado esquerdo, consiga chegar mais próximo da área e seja um elemento surpresa para fazer gols de média distância. Ele sentiu o craque abaixo nos últimos jogo e deseja recuperá-lo o mais rápido possível.

O camisa 9 tem impressionado a comissão técnica com a ‘fome’ de fazer gols. A tendência é que seja titular contra o ex-clube. Pedro ainda precisa ganhar mais ritmo de jogo, mas Rogério não descarta utilizar os dois centroavantes em algumas ocasiões de jogo, isso vai depender de alguns fatores. Vale lembrar que não foram treinamentos coletivos, apenas testes feitos pela nova comissão. Devagarinho, o Flamengo está reencontrando seus caminhos.