Mike Tyson fazia sexo com tietes nos camarins, antes de suas lutas, para evitar matar seus adversários, segundo revelação feita pelo seu ex-guarda-costas e ex-motorista, Rudy Gonzalez. 

Em entrevista ao jornal The Sun, Gonzalez contou que Tyson costumava descontar emoções negativas nos socos: "Um dos meus maiores segredos com Mike era que ele precisava fazer sexo no camarim antes das lutas. Eu tinha que encontrar uma tiete, não importava quem fosse. Ele dizia: 'Se eu não transar, vou matar esse cara agora'",

Ele ainda relembrou: "Mike tinha que transar para liberar um pouco da força que ele tinha. Então, eu tinha as meninas escondidas em banheiros e vestiários. Às vezes, ele ficava com elas por um minuto, transava para c******, estralava o pescoço e dizia: 'Ok, esse cara vai viver esta noite'. Seu maior medo era matar alguém naquele ringue. Ele sabia que poderia fazer isso". O ex-funcionário do astro do boxe também disse que levar um golpe de Mike era como ser "atingido por um trem", com isso, o sexo era "uma maneira de liberar esse poder e relaxar um pouco".

"Alguém uma vez me perguntou por que Mike precisa de quatro guarda-costas armados, e eu disse: 'Não estamos aqui para protegê-lo, estamos aqui para protegê-lo de você'". O boxeador morou em uma área perigosa no Brooklyn e perdeu a mãe aos 16 anos, além de ter sido abandonado pelo pai ainda bebê. Ele sofria de ansiedade e caia no choro no vestiário diversas vezes.

"Ele tinha um problema de ansiedade que o deixava desesperado por não se sentir bom o suficiente ou por não querer estragar tudo. Mike tinha medo de que, se estragasse tudo, acabaria voltando para seu antigo bairro ou seria preso", finalizou. Rudy chegou a escrever um livro sobre Tyson e participou da série documental Mike Tyson: The Knockout, que conta a história do astro de 55 anos.