Vingadores: Ultimato” se tornou um marco na indústria cinematográfica, o filme que representa uma história marcada por 10 anos quebrou recordes por todo mundo ao trazer o embate final entre a equipe de heróis e o vilão que se tornou famoso entre o público, Thanos.

Ainda que já tenha deixado seu legado, muito se comenta sobre as inúmeras possibilidades que a história poderia ter chegado. Em uma entrevista, Anthony e Joe Russo, irmão responsáveis por dirigir inúmeros filmes da saga, revelaram que o presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, tinha uma ideia diferente para o final da história.

Rolaram muitos rumores sobre quem iria morrer. Kevin sugeriu, em determinado momento, matar todos os Vingadores originais. Nós achamos muito agressivo, achamos que o público não conseguiria digerir isso. E que, de fato, escolher um ou dois personagens para fazer sacrifícios durante o filme poderia produzir momentos em que a ação pararia e poderia haver uma catarse emocional e, então, continuar com a narrativa”, contou Joe ao entrevistador do “Happy Sad Confused”.

Joe revelou também que a ideia de matar Tony Stark não foi bem aceita por todos os atores, segundo o diretor, Jon Favreau, que interpretava Happy Hogan, o assistente do bilionário, tentou convencer os diretores a trocar de ideia: “Eu me lembro de ficar andando para lá e para cá no canto de um cenário no telefone com Favreau, tentando convencê-lo. Ele estava tipo: 'Você não pode fazer isso. Isso vai deixar as pessoas arrasadas e você não quer que elas saiam do cinema e se joguem no meio dos carros'. Mas nós o matamos mesmo assim”, concluiu.