Paulo Gustavo, morto aos 42 anos na última terça-feira (04), teve uma significativa melhora antes de ter sua situação de saúde agravada por uma embolia pulmonar. A informação foi dada pelos médicos que o atenderam no Copa D'Or, no Rio de Janeiro.

 

Em entrevista ao Fantástico veiculada ontem (09), os médicos responsáveis por cuidar do humorista afirmaram que ele teve uma recuperação muito boa no domingo (02), mas na tarde do mesmo dia, seu estado se agravou de forma acentuada.

"Talvez tenha sido o melhor dia dele durante a internação", afirmou o pneumologista Rafael Pottes. Susana Garcia, diretora de cinema, médica e amiga de Paulo, comentou: "A gente falava, 'abre o olho e fecha duas vezes', e ele fazia. 'Abre a boca, bota a língua para fora'. E dizíamos, 'você está melhorando'".

A situação mudou poucas horas depois. "'Foi como tivesse desligado um interruptor. Ele ficou pálido, a pressão arterial caiu, e ele parou de interagir. Isso aconteceu umas quatro vezes durante a tarde", afirmou Flávio Miranda, chefe do setor de terapia intensiva.

"O coração e o cérebro foram órgãos imediatamente afetados por essa quantidade de ar (causado pela fístula entre alvéolos do pulmão e a veia pulmonar). Não havia como corrigir. Não tem como detectar a área em que está ocorrendo e nem como corrigir", garantiu Flávio.