Os casos de infecção da varíola dos macacos, causados pelo vírus do monkeypox, vêm aumentando no Brasil. Segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde, o país já conta com 1.369 diagnósticos da doença, sendo o primeiro registrado no começo de junho deste ano.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, ainda não há nenhuma previsão de vacinação em massa contra a doença em nenhum país do mundo. Além disso, a OMS afirma que é improvável que a medida seja necessária para combater o surto. No Brasil, a imunização é indicada para casos graves.

De acordo com especialistas, a vigilância e a identificação rápida de novos casos da varíola dos macacos, além do treinamento dos profissionais de saúde para identificar sintomas das doenças, são medidas fundamentais para a contenção do surto.

Assim também, segundo especialistas de saúde, é possível se produzir e reduzir os danos de contrair o vírus. Dessa forma, indicam, no mínimo, oito medidas para diminuir o risco de infecção ou evitar a transmissão dos vírus para outras pessoas. São elas: 

  • Fique atento aos sintomas, como febre, dor nas costas e falta de energia;
  • Busque atendimento médico, quando necessário;
  • Evite o contato próximo com pessoas infectadas ou com suspeita de infecção;
  • Evite toque, beijo ou sexo com pessoas infectadas ou com suspeita de infecção;
  • Limite o número de seus parceiros sexuais;
  • Evite o compartilhamento de objetos, incluindo roupas de cama e toalhas;
  • Use máscaras;
  • Cubra os braços e pernas em aglomerações;
  • Higienize as mãos.