A varíola dos macacos é uma doença que vem preocupando os agentes de saúde por conta da velocidade em que vem se espalhando pelo mundo. Durante a semana passada, o Brasil registrou o primeiro óbito por conta dessa doença, o que fez com que os agentes de saúde encomendassem algumas vacinas para o vírus.

Em uma nota técnica publicada ontem, segunda-feira (1), o Ministério da Saúde fez novas recomendações para um grupo de risco da doença: as gestantes, lactantes (mulheres que amamentam) e puérperas (mulheres até 45 dias pós parto). As mulheres que se encaixarem nesse grupo devem utilizar máscaras e camisinhas em todos os tipos de relações sexuais.

“Considerando o rápido aumento do número de casos de MPX (monkeypox, como é chamada a varíola dos macacos) no Brasil e no mundo, associado à transmissão por contato direto e, eventualmente, por via aérea, recomenda-se que as gestantes, puérperas e lactantes: Mantenham uso de máscaras, principalmente em ambientes com indivíduos potencialmente contaminados com o vírus; Usem preservativo em todos os tipos de relações sexuais (oral, vaginal, anal) uma vez que a transmissão pelo contato íntimo tem sido a mais frequente”, diz a nota.

Vale lembrar que recentemente o país adquiriu 50 mil doses de vacinas contra a doença. As primeiras pessoas que receberão os imunizantes serão os profissionais da área da saúde e as pessoas que tiveram algum contado com alguém infectado pela varíola dos macacos.