arrow_drop_down
search
Gremio v Flamengo - Copa CONMEBOL Libertadores 2019 Semi-Final 1

Futebol Flamengo

Rafinha lamenta por não ter a regularidade que gostaria na Seleção Brasileira

Lateral, ex-Bayern de Munique, é um dos poucos jogadores brasileiros que carregam títulos importantes na bagagem

Bolavip

Gremio v Flamengo - Copa CONMEBOL Libertadores 2019 Semi-Final 1

Gremio v Flamengo - Copa CONMEBOL Libertadores 2019 Semi-Final 1 (Foto: 2019 Getty Images , Getty Images South America)

Rafinha, ex-Bayern de Munique e atualmente lateral-direito do Flamengo, foi o convidado especial do Bem, Amigos! desta segunda-feira (02). No programa veiculado pelo SporTV, o jogador aproveitou a oportunidade para declarar lamentações quanto às poucas chances que recebeu para representar a Seleção Brasileira. O lateral ainda reiterou que não entende os critérios utilizados pelos treinadores que passam pelo comando da equipe nacional - atualmente Tite é o comandante. 

Rafinha, lateral-direto no Flamengo, é multicampeão também pelo Bayern de Munique

"Eu estou preparado para a Seleção. Sempre estive preparado lá na Alemanha. Se a oportunidade chegar agora, vou representar da melhor maneira possível. Mas, a minha prioridade agora é o Flamengo. Eu tive poucas oportunidades na Seleção Brasileira. Mesmo com o Daniel Alves e o Maicon sempre jogando muito bem, teve momentos em que eu tinha esperança de ter mais oportunidades", pontuou o jogador. 

Rafinha é multicampeão. Quando estava na Alemanha conquistou tudo que tinha direito: desde a Champions League até a Bundesliga - liga nacional. O lateral foi repatriado pelo Flamengo em meados desta temporada e, junto com outros talentos que chegaram da Europa, conseguiu conquistar mais duas taças: Libertadores e Campeonato Brasileiro. O atleta, que gosta de tatuar seus triunfos, ainda tem espaço para rabiscos ainda maiores - pensando no Mundial de Clubes. 

Para encerrar sua participação no programa, Rafinha disse: "Em 2013, 14 e 15, que foram os anos que eu mais joguei, quando o Guardiola estava, eu era convocado no máximo uma vez. Não tinha sequência. Assim, é difícil mostrar alguma regularidade. Tenho certeza que eu poderia ter agregado muita coisa boa à seleção brasileira se eu tivesse ido, até pela minha experiência. Não sei quais os critérios que os treinadores usam", finalizou.

Temas:

Leia também


Comentários

Cadastre-se

Você pode receber as últimas notícias na sua caixa de E-mail.