arrow_drop_down
search
Divulgação/Athletico

Futebol Athletico Paranaense

"Competição injusta"; Autuori desabafa após vitória do Athletico por casos de Covid-19 nos clubes

O Furacão foi até o Mineirão e venceu o Galo, pegando o 'elevador' na classificação; com o triunfo longo de casa, a equipe deixou o Z-4 para chegar até a primeira página

Bolavip

Divulgação/Athletico

Divulgação/Athletico

O Athletico venceu o Atlético-MG na noite da última quarta-feira (18), pelo placar de 2x0, em jogo adiado da sexta rodada, deixou a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com gols de Crhistian e Nikão, ambos na primeira etapa, o Furacão pulou para os 25 pontos e se afastou da zona de rebaixamento, subindo para a 10ª posição

Após o confronto, o ínicio da coletiva do técnico Paulo Autuori foi marcado por um desabafo. O comandante lamentou a realização de competições em meio à pandemia do novo Coronavírus. Rival deste meio de semana, o Atlético-MG não pôde contar com uma série de atletas diagnosticados com a doença, além da maior parte da comissão técnica.

"Eu milito há algum tempo dentro do futebol e reivindico muito o direito daqueles que são do futebol de serem ouvidos. Independente daquilo que ocorra no campeonato, sem tirar o mérito daquele que possa vencer, daqueles que possam atingir seus objetivos, de qualquer maneira será uma competição injusta", disse. 

Foto: Mauricio Mano/Site Oficial do Athletico/Divulgação Paulo Autuori
Foto: Mauricio Mano/Site Oficial do Athletico/Divulgação

O Atlético-MG está distante de ser o único clube com um surto de Covid-19 em seus profissionais. Também neste meio de semana, o Palmeiras sofreu com desfalques para enfrentar o Ceará na Copa do Brasil. O Santos também passa por muitos problemas, os quais foram enfrentados pelo Flamengo no mês de setembro. A CBF segue com a decisão de manter os jogos caso os times tenham ao menos 13 atletas à disposição.

"Injusta porque muitas equipes, à véspera de seus jogos, como aconteceu hoje (ontem), tiveram problemas de Covid não só em relação aos seus jogadores, mas equipe técnica também. É um problema que transcende o futebol, nossa pressa de acabar o ano de qualquer maneira por interesses, que se sobrepõem à razão, uma vez mais, dentro do futebol brasileiro", completou Paulo Autuori. 

Temas:

Leia também


Comentários

Cadastre-se

Você pode receber as últimas notícias na sua caixa de E-mail.