Paul Haggis, famoso por vencer o Oscar pelo filme "Crash - No Limite" em 2006, foi preso neste fim de semana na Itália, após uma mulher acusá-lo de abuso sexual e lesão corporal. O roteirista, produtor e diretor foi levado a delegacia de Ostuni, no sul do país, confirmou a imprensa local.

O jornal "Corriere Della Sera" informou que o Ministério Público de Brindisi divulgou nota sobre o caso, afirmando que o artista de 69 anos teria mantido uma mulher estrangeira (ou seja, não italiana) em um quarto por dois dias, forçando-a a manter relações sexuais com ele. Em seguida, ele a teria deixado no aeroporto Papola Casale, na mesma região.

Ainda segundo o texto do MP local, a mulher -- que não teve sua identidade divulgada -- estava em "condições físicas e psicológicas precárias" assim que chegou ao aeroporto. Funcionários do local perceberam a situação e deram assistência a ela, juntamente com o pessoal de política da fronteira. Em seguida, ela resolveu formalizar a denúncia contra Haggis.

 

Diretor estava na Itália para participar de evento

O cineasta estava na Itália para participar do Allora Fest, onde daria "master classes" no decorrer do evento, focado em produção audiovisual. Silvia Bizio, uma das organizadoras do evento, afirmou para a "Variety" neste domingo (19) que o festival está "se distanciando completamente" de Haggis e confirmou a prisão.

Paul Haggis começou a carreira como roteirista de filmes como "Menina de ouro" (2004), "A conquista da honra" (2006), "007: Cassino Royale" (2006) e "007 - Quantum of solace" (2008). Como diretor, ele comandou "No vale das sombras" (2007) e "72 horas" (2010), bem como a série "Show me a hero" (2015). Por "Crash - No Limite", ele venceu os Oscars de Melhor Filme e Melhor Roteiro Original, perdendo o prêmio de Direção para Ang Lee, de "O Segredo de Brokeback Mountain".